Textos

Sujeira

A limpeza  escorria da boca
E levava sossego pra onde ia
Ia de um lado pro outro
Fazendo algazarra, estamparia!
Não tinha febre de taco
nem tamanho pra medir de mendiga
Fazia a gente tristonha
Destina medonha a sina que lia  
Comia a vida com fé
e ainda tremia o nado da morte

Mas a sorte buscou a vida insegura
Atrapalhada de pura
E com ela rompeu ranhura!
Quando a diaba já não fazia timbre,
Sequer trocou os doces!
Era travessura de foices
E foi-se sem achar cedo!
Vera Mascarenhas
Enviado por Vera Mascarenhas em 08/04/2022
Copyright © 2022. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários